Brasilidades

o Brasil profundo, a cultura popular identitária

Quando educação e pesquisa se integram ao cotidiano

Educação ambiental, fortalecimento da rede pública de ensino, desenvolvimento local, atividades arte-educativas com crianças em situação de vulnerabilidade social e um longo etc. Uma Universidade pensada estrategicamente para ser um espaço de encontro de jovens intelectuais pesquisadores da nossa América atua em bairros e escolas de Foz de Iguaçu, impactando mais de 115 mil pessoas em apenas 2 anos (!).
por / Mixada Claudio, da redação

Da edição 21 - Espaço habitado, território de criação
astrolábio nº 21 ano II set. 2017

Criada pela lei nº 12.189, de 2010, na época aprovada de forma unânime em todas as comissões, a Universidade Federal da Integração Latino-Americana – UNILA, localizada na tríplice fronteira Sul brasileira, conta com 3.500 alunos matriculados, vindos de diversas partes do Brasil e de outros 19 países da região, em 22 cursos de bacharelado, 07 licenciaturas e 13 cursos de pós-graduação. Mas o que nos chamou mais a atenção foi o impacto das suas ações de extensão, que vão da educação ambiental com crianças da escola pública, cursos de formação de professores da rede, projetos de desenvolvimento comunitário e outros dirigidos a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, entre muitos outros, que beneficiaram diretamente em torno de 115 mil pessoas, só nesses dois (02) últimos anos.

A UNILA, que nasceu com a vocação da integração latino-americana, seguindo o movimento global de integrações regionais, que na nossa América fez surgir o Mercosul e a UNASUL, oferece metade das vagas para estudantes brasileiros e metade para estrangeiros, constituindo um ponto de encontro para os jovens intelectuais, professores e pesquisadores da América Latina e do Caribe, base para o fortalecimento dos naturais e necessários processos de integração regional.

O impacto de uma universidade em uma determinada comunidade – ou região – pode ser aferido de diversas maneiras. Uma delas é através da Extensão, que, articulada ao Ensino e à Pesquisa, busca contribuir para o desenvolvimento e a transformação social, além de permitir a construção coletiva e a troca de saberes entre a academia e os cidadãos. Em Foz do Iguaçu e região, a presença da UNILA beneficiou, somente entre os anos de 2015 e 2017, cerca de 115 mil pessoas, através de 540 ações, entre projetos, cursos e eventos diversos, de acordo com levantamento da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX).

Essa mensuração de impacto teve início apenas em 2015. Portanto, o número de pessoas beneficiadas é ainda maior, principalmente se considerado o período desde a criação da UNILA (em 2010): nestes sete anos, esse número chega a 774 ações, que são realizadas com diferentes focos, trabalhando temáticas como Educação, Letras e Línguas; Comunicação; Cultura e Artes; Tecnologia e Produção; Meio Ambiente; Direitos Humanos e Justiça; Economia, Política e Desenvolvimento; Saúde; e Inclusão Social.

E o território de atuação da Universidade vai além de Foz do Iguaçu, tendo alcançado pessoas em mais de 20 cidades – incluindo municípios de outros estados brasileiros e Ciudad del Este, no Paraguai (veja os mapas abaixo)

(visualização da abrangência das ações de Extensão da UNILA no Oeste do Paraná)

Um exemplo de impacto direto são as atividades realizadas nas escolas, nas quais foram desenvolvidas, somente em 2016, 63 ações voltadas à formação de professores da Rede Pública de Educação. Outro tipo de ação que merece destaque são os cursos de idiomas voltados à comunidade – e totalmente gratuitos. Somente os cursos de línguas totalizam 42, que oportunizam à comunidade o aprendizado de francês, alemão, espanhol, guarani, italiano, grego, árabe e até Libras.

Clique aqui para saber mais sobre o curso de português para estrangeiros

Também foram contabilizadas, até o momento, 45 ações de extensão voltadas à inclusão de pessoas em situação de vulnerabilidade. Um exemplo é o Projeto de Reestruturação Urbana e Social da Fronteira, que foi realizado com os moradores da Ocupação Bubas, em Foz do Iguaçu.

Clique aqui para conhecer o projeto

Todas as ações de Extensão desenvolvidas pela UNILA contam com um profundo envolvimento da comunidade acadêmica. De acordo com os dados da PROEX, mais de mil pessoas – entre professores, alunos e técnico-administrativos – já estiveram envolvidas em algum projeto de Extensão nos últimos três anos.

Confira, nos gráficos abaixo, a evolução do número de ações de Extensão da UNILA, ano a ano:

As atividades também contam com parceiros externos, formais ou informais. Somente entre 2015 e 2017, mais de 50% das ações tiveram como parceiros órgãos e entidades como: Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu (PMFI), Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Itaipu Binacional, Ecomuseu de Itaipu, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Núcleo Regional de Educação (NRE), Centro de Reintegração Feminino (Cresf), Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Instituto Federal do Paraná (IFPR), Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Fundação Cultural, Associações de Bairros, Movimentos Sociais, Coletivos, entre outros.

Em julho deste ano, uma curiosidade deixou a UNILA se equilibrando entre a tragédia e o milagre da integração. Uma Emenda Aditiva, de autoria do deputado federal Sérgio Souza (PMDB/PR), a Medida Provisória nº 785/2017 propunha a conversão da UNILA em Universidade Federal do Oeste do Paraná (UFOPR). Como para não ser notada, essa mudança tão importante, tinha sido apresentada no meio do processo de aprovação legislativa de uma medida provisória que tratava de outro assunto (financiamento estudantil).

A tentativa de acabar com o projeto da UNILA criou comoção no meio acadêmico, mas não só. Além de declarações de ex-ministros de relações exteriores e da educação, de deputados e senadores da república e mesmo de ex-presidentes, a tal Emenda Aditiva do deputado Souza teve um efeito totalmente inesperado: a comunidade, até então aparentemente indiferente à UNILA, mobilizando-se no sentido de dar um apoio quase irrestrito ela, manifestando-se contra a proposta esdrúxula. Como resultado, em fins do mês de agosto, o deputado retirou formalmente a polêmica emenda.

Ganha a comunidade de Iguaçu e a região trinacional, e ganha a integração latino-americana, tão importante para a vida de cada uma e cada um de nós em tempos de globalização.

  • Conheça mais relatos sobre ações de Extensão da UNILA no blog da PROEX.

*matéria mixada com dados da própria UNILA