Interfases

efervescências humanas na arte e na poesis

Astrolábio

Um fantasma percorre a web

por Claudio Barría Mancilla
Da edição

Funes lem­bra­va de tu­do. “Recordava ca­da fo­lha de ca­da ár­vo­re de ca­da mon­te“. Registrava de­ta­lhes e mais de­ta­lhes, mas ti­nha mui­ta di­fi­cul­da­de em com­pre­en­der, por exem­plo, que cão é mais que uma pa­la­vra que re­me­te a uma coi­sa. É um sím­bo­lo que abar­ca uma va­ri­e­da­de enor­me de ca­chor­ros de di­ver­sos ta­ma­nhos, co­res e for­mas. Funes so­fria mui­to. Não con­se­guia pen­sar, pois pen­sar, nos lem­bra Borges nes­se con­to, de­man­da a ca­pa­ci­da­de de abs­trair.”

Estamos che­gan­do à nos­sa vi­gé­si­ma edi­ção sur­pre­sos com a pró­pria tra­je­tó­ria e os des­do­bra­men­tos des­sa re­de que ho­je so­mos. De fa­to, “nós, os de an­tes, não so­mos mais os mes­mos“… e é que, de re­pen­te, não mais que de re­pen­te, so­mos mais de uma cen­te­na de mi­lha­res!

…é sé­rio is­so!

Estamos fe­li­zes de per­ce­ber que a for­ça da uto­pia re­a­li­zá­vel à que um dia apos­ta­mos foi mui­to além do i ma­gi­na­do.

Mas o que Funes tem à ver com is­so tu­do?

 

Sobre o sentido de ser brinquedo de navegar

Hoje, a World Wide Web (Teia Mundial, na tra­du­ção li­te­ral) pos­sui uma quan­ti­da­de in­cal­cu­lá­vel de da­dos que su­pe­ra já os 500 bi­lhões de si­tes in­de­xa­dos (is­so con­tan­do ca­da re­de so­ci­al – co­mo Facebook ou Twitter – co­mo um (01) úni­co si­te, e não in­cluin­do a cha­ma­da de­ep web).  É de fa­to, e há mui­to, o mai­or ar­qui­vo ja­mais cri­a­do pe­la hu­ma­ni­da­de.  A ar­tis­ta, pes­qui­sa­do­ra e cu­ra­do­ra Gisselle Beiguelman com­pa­rou a in­ter­net de ho­je a Funes, o me­mo­ri­o­so, tris­te per­so­na­gem do es­cri­tor ar­gen­ti­no J. L. Borges.

Essa re­a­li­da­de im­pac­ta di­re­ta e pro­fun­da­men­te a Educação, a co­mu­ni­ca­ção hu­ma­na, a pro­du­ção e trans­mis­são de co­nhe­ci­men­tos.  O pon­to é: Dados pre­ci­sam ser trans­for­ma­dos em in­for­ma­ção e in­for­ma­ção em con­teú­do sig­ni­fi­can­te, co­nhe­ci­men­to que se ar­ti­cu­la com a vi­da de pes­so­as e co­le­ti­vos e com os sen­ti­dos que par­ti­lha­mos.  Essa é a gran­de fun­ção da me­di­a­ção na in­ter­net, e se bem to­do o an­te­ri­or (ar­ma­ze­na­men­to e dis­po­ni­bi­li­za­ção de da­dos, me­ca­nis­mos de bus­ca, re­fe­ren­ci­a­men­to, in­de­xa­ção e mes­mo a de­fi­ni­ção de re­le­vân­ci­as), se­jam ta­re­fas ho­je au­to­ma­ti­za­das por meio de com­ple­xos al­go­rit­mos que re­or­ga­ni­zam e en­tre­la­çam pla­ta­for­mas na WEB, es­ta úl­ti­ma ta­re­fa, a da me­di­a­ção, é ex­clu­si­va e es­sen­ci­al­men­te hu­ma­na, co­mo apon­ta Beiguelman, em seu ar­ti­go “Curadoria de Conteúdo é o lu­gar do hu­ma­no na in­ter­net”.

A me­di­a­ção é da or­dem do hu­ma­no, pois re­quer a ar­ti­cu­la­ção de vi­vên­ci­as e sen­ti­dos pro­du­zi­dos na re­la­ção dos su­jei­tos e co­le­ti­vos com o mun­do, com seus fa­ze­res cri­a­ti­vos, sim­bó­li­cos, so­ci­ais e po­lí­ti­cos, no seu mo­do de pro­je­tar e ne­go­ci­ar sub­je­ti­vi­da­des.  São elas que têm se de­mons­tra­do al­ta­men­te po­ten­tes.  Para re­a­li­zar es­sa ta­re­fa é pre­ci­so en­ten­der que a cha­ma­da re­de mun­di­al de com­pu­ta­do­res é, an­tes de na­da, uma re­de mun­di­al de pes­so­as e co­le­ti­vos que se co­nec­tam e in­te­ra­gem ‘a tra­vés’ de com­pu­ta­do­res e ou­tros mei­os di­gi­tais ho­je dis­po­ní­veis (ta­blets, ce­lu­la­res, re­ló­gi­os e um enor­me etc. que co­me­ça a in­va­dir nos­so co­ti­di­a­no e abre cam­po à cha­ma­da in­ter­net das coi­sas). Isto não é o nos­so fu­tu­ro, é o nos­so pre­sen­te, mes­mo pa­ra aque­les que não são usuá­ri­os as­sí­du­os ou entendem-se fo­ra do mun­do di­gi­tal.

É nes­se con­tex­to que se in­se­re o Astrolábio, co­mo ins­tru­men­to que ar­ti­cu­la – a par­tir dos nos­sos prin­cí­pi­os, va­lo­res e re­la­ções – en­ri­que­ce­do­ras ex­pe­ri­ên­ci­as lo­cais à mul­ti­dão, sem sub­su­mir, mas re­de­fi­nin­do mo­dos e sen­ti­dos, cos­tu­ran­do, em tem­po re­al, uma car­to­gra­fia cons­tan­te de fa­ze­res que, as­sim, se en­tre­la­çam.  E is­so por­que os usuá­ri­os do Astrolábio não são ape­nas lei­to­res, cu­ri­o­sos na­ve­gan­tes, mas tam­bém cri­a­do­res, su­jei­tos ar­ti­cu­la­dos aos seus co­le­ti­vos em di­ver­sos es­pa­ços lo­cais que se in­ter­po­lam e tro­cam;

Assim, quan­do fa­la­mos que o Astrolábio é um nó ar­ti­cu­la­dor de re­des de su­jei­tos e co­le­ti­vos que pro­du­zem cul­tu­ra, não es­ta­mos ape­nas na or­dem dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, co­mo se­ria an­ti­ga­men­te uma re­vis­ta ins­ti­tu­ci­o­nal, por exem­plo, nem na do Marketing, no seu sen­ti­do tra­di­ci­o­nal, que bus­ca um meio que am­plie o al­can­ce e im­pac­to de pe­ças de di­vul­ga­ção pa­ra ven­da de pro­du­tos ou ser­vi­ços.  É tam­bém is­so, com cer­te­za, to­da vez que a in­ser­ção na mul­ti­dão co­mo me­di­a­dor de con­teú­do cons­ti­tui ho­je o mais ca­ro me­ca­nis­mo de le­gi­ti­ma­ção de mar­cas no ca­os de da­dos que se­ria a web sem in­de­xa­ção e lu­ga­res de re­fe­rên­cia.  Achar-se e ser acha­do nes­se mar tur­bu­len­to on­de to­dos na­ve­gam é ter uma van­ta­gem com­pa­ra­ti­va in­cal­cu­lá­vel.

Mas não é ape­nas is­so. Vai além, co­mo ins­tru­men­to que per­mi­te re­for­çar um te­ci­do es­gar­ça­do pe­la frag­men­ta­ção das prá­ti­cas e dos co­le­ti­vos em su­as pe­que­nas lu­tas por cons­truir um mun­do me­lhor a par­tir do en­con­tro e da me­mó­ria do co­mum.  Eis sua for­ça po­lí­ti­ca, que não bus­ca ser ape­nas es­pe­lho da nos­sa pre­ten­sa po­tên­cia, mas que só é en­quan­to es­tá sen­do en­tre­la­ço de mui­tas tra­je­tó­ri­as de fa­ze­res e sen­ti­dos ar­ti­cu­la­dos pe­lo en­con­tro que ele pro­pi­cia. O Astrolábio é, co­mo pen­san­do des­de o iní­cio, nós no mun­do, e o mun­do em nós, en­tre­la­ça­dos em re­des de co­o­pe­ra­ção, co­la­bo­ra­ção e in­te­ra­ção cri­a­ti­va.

E é que o Astrolábio se pro­põe a ser um agen­ci­a­dor de uma re­de de co-elaboração de sen­ti­dos éti­cos e es­té­ti­cos des­de o mais pro­fun­do do Brasil e da Nossa América, is­to é, des­de a nos­sa con­tem­po­ra­nei­da­de an­ces­tral.  É es­ta nos­sa uto­pia re­a­li­zá­vel.

Ao lan­çar­mos o no­vo Astrolábio que­re­mos dar uma es­pe­cie de abra­ço de agra­de­ci­men­to a to­das e to­dos que par­ti­ci­pam, de um mo­do ou ou­tro, des­sa já enor­me re­de, co­mo pro­du­to­res de con­teú­do, ar­ti­cu­la­do­res de co­le­ti­vos, cu­ra­do­res de ar­ti­gos acha­dos na re­de ou co­mo edi­to­res, re­vi­so­res, lei­to­res ou par­ti­lha­do­res. #SomosTodosAstrolábio

O Astrolábio é um olhar que acha seus afe­tos,
olhar que re­fle­te a ima­gem de quem o vê
e as­sim, atra­vés de­le vê e en­con­tra,
o Astrolábio, brin­que­do de na­ve­gar sem per­der o Sul,
é ins­tru­men­to de na­ve­gar jun­tos (e é pre­ci­so)
sem­pre co-elaborado por to­dos que o ali­men­tam
cu­ra­do­ria estético-afetiva de con­teú­dos par­ti­lha­dos,
car­to­gra­fia da al­ma do Brasil e da nos­sa América pro­fun­da
é li­vre, aber­to e gra­tui­to,
co­mo o chei­ro da bri­sa à bei­ra mar,
co­mo a ale­gria inex­pli­cá­vel de uma an­do­ri­nha que vol­ta,
co­mo a cu­ri­o­si­da­de in­can­sá­vel dos fe­li­nos.
é lu­gar de acha­dos e cui­da­dos.
ar­te, edu­ca­ção, cul­tu­ra po­pu­lar,
cri­a­ti­vi­da­de hu­ma­na,
car­to­gra­fi­as do poé­ti­co, me­mó­ria vi­va,
apren­di­za­do da par­ti­lha e ou­tras be­le­zu­ras
ele é fer­ra­men­ta es­pe­ci­al pa­ra aque­les que sa­bem
ou es­tão en­vol­vi­dos pe­la pai­xão de apren­der a ver
e ne­le po­dem achar, mi­xar ou pu­bli­car con­teú­dos
é um te­ci­do com-fiado
que tem a ar­te co­mo poi­e­sis e a edu­ca­ção co­mo Política,
é um Tear

Veja as mu­dan­ças no Astrolábio