FILTRAR

x

FILTROS

x

    LIMPAR

  • Abya-Yala

  • Arte/Educação

  • Brasilidades

  • Cultura Infância

  • Cultura Viva

  • Ecologias

  • Interfases

  • Letras e Literatura

  • Mapeadas

  • Mixada

    LIMPAR

  • 21 - Espaço habitado, território de criação

  • 20 - Podem as Práticas Artísticas Construir Territórios?

  • 19 - Zênite

  • 18 - Tecidos e tessituras da Cultura Popular

  • 17 - Recriação da Memória

  • 16 - Corpo Estendido

  • 15 - Educação como Política

  • 14 - Laboratório Rua

  • 13 - Florescer Criança

  • 12 - Mundaréu de Brincadeira

  • 11 - Leitura e Suas Tecituras

  • 10 - Em Trânsitos

  • 09 - Reinvenção da Educação

  • 08 - Outras Ecologias

  • 07 - Tear em Casa

  • 06 - Rememorar

  • 05 - A Cena e o Som

  • 04 - Arte da Palavra

  • 03 - Brincantes

  • 02 - Arte e Natureza

  • 01 - Arte e Cultura Popular

    LIMPAR

  • Arte da renda - 1º temporada

  • Arte do Barro

  • Arte do Fio

  • Diário do Quintal

  • Ecos da Palavra

  • Fios de Prosa com Simas

  • Intercâmbios Andarilhos

  • Memórias da Arte/Educação

Chegamos à 20a edição surpresos com a trajetória e desdobramentos da rede que hoje somos. Mais de cem mil já passaram por aqui!  O Astrolábio se consolidou como mídia colaborativa que aborda com zelo, leveza e sensibilidade temas que nos ajudem a navegar sem perder o Sul. Temos em vista a força vital de coletivos que elaboram novas políticas, a diversidade biocultural e a sustentabilidade, processos pedagógicos e leituras de mundo que se esquivam do determinismo do Norte global. O novo Astrolábio facilita a navegação, a partilha e, no design, traz trajetórias estéticas que se interpolam e produzem sentidos, com o desejo explícito de ser nó agenciador de uma rede de co-elaboração de sentidos éticos e estéticos, desde o mais profundo do Brasil e da Nossa América, isto é, desde a nossa contemporaneidade ancestral. É esta nossa utopia realizável. Dedicamos a edição a todos aqueles que acreditam na reinvenção de si e do mundo. + O sentido de navegar

 

Luiz Antônio de Oliveira

Extrato de entrevista com o representante do Museu da Maré. Episódio da série Intercâmbios Andarilhos [vídeo]

Táticas para criar buracos de minhoca

Essa é a primeira metade da formulação de táticas para criar buracos de minhoca. O que quer dizer ressignificar territórios? Como e porquê fazê-lo? O que essa ressignificação acarreta para a efervescência de uma nova imaginação política?

Vitalino

A arte feita de barro, por um dos maiores mestres brasileiros

Lembranças de Sepetiba

Neste vídeo moradores de Sepetiba – RJ contam lembranças da praia, causos pouco conhecidos como o da lama da praia que fazia milagres, antes do processo de poluição da baía, e de quando haviam festas de tradições afrobrasileiras na virada no ano. O Ponto de Cultura a A era do Radio, de Sepetiba foram parceiros […]

Diário do Tear – Frans Krajcberg

A turma de Artes Integradas conheceu a obra de Frans Krajcberg, artista polonês que veio morar em Minas Gerais, terra onde fincou raízes profundas. Assim, como Frans, as crianças fizeram suas esculturas com troncos e galhos caídos no quintal.

Cantos de um Sertão Carioca

O “Ecomuseu do Sertão Carioca”, criado em 2009,  tem como preocupações principais a preservação do patrimônio cultural aliado ao desenvolvimento social. O sertão carioca e seus inventários são pensados nos escritos de Bernardo Marques.

Leitura, Literatura, Experiência e Escola

Por que ler? Por que ler literatura? Por que ler literatura na escola? Estas são questões que estão na pauta de muitas pesquisas e no cotidiano de muitos docentes das escolas brasileiras.

Roda

Abrindo as rotas de navegação do Astrolábio em espanhol (ou castelhano, para sermos mais precisos) a nossa querida Eunice Muruet nos envia este pequeno e belo texto de fronteira, que reflete sobre o lugar da rodas e ciclos da/na cultura da nossa América

Mediação Cultural como arte/educação

Cartografia, geopoética dos sentidos.

É tempo de resistência

Sancionada em julho de 2014 a Lei 13.018 cria a Política Nacional de Cultura Viva como política de Estado.  Mas do que trata e qual a situação dela hoje? Davy Alexandrinsky é parte dessa história desde seu início em 2005 e partilha seu olhar com o Astrolábio.
Fonte: Atrás do pano - https://goo.gl/SwvhVK

MENIN@ MESTR@

o sentido do pleno brincar