Interfases

efervescências humanas na arte e na poesis

Táticas para criar buracos de minhoca

Essa é a primeira metade da formulação de táticas para criar buracos de minhoca. O que quer dizer ressignificar territórios? Como e porquê fazê-lo? O que essa ressignificação acarreta para a efervescência de uma nova imaginação política?

por Luiza Crosman

Da edição 20 - Podem as Práticas Artísticas Construir Territórios?

Esse tex­to vai apre­sen­tar em dois tem­pos o iní­cio do ra­ci­o­cí­nio de co­mo a cri­a­ção de bu­ra­cos de mi­nho­ca po­dem ser for­mas pos­sí­veis de res­sig­ni­fi­car es­pa­ços. Buracos de mi­nho­cas são ca­nais, vi­as sub­ter­râ­ne­as, fei­tos por den­tro e a par­tir da ter­ra por on­de são es­ca­va­dos. Minhocas co­mem a ter­ra, e a di­ge­rem, sub­ver­ten­do o que po­de­ria ser vis­to com um blo­queio em nu­tri­en­tes e ca­mi­nho. Buraco de mi­nho­ca é tam­bém a te­o­ria fí­si­ca de que é pos­sí­vel co­nec­tar dois pon­tos dis­tin­tos do te­ci­do espaço-temporal do Universo ob­ser­vá­vel e, por­tan­to, vi­a­jar en­tre eles.

Quero pro­por bu­ra­cos de mi­nho­ca – ter­res­tres e cós­mi­cos – co­mo uma pos­sí­vel ima­gi­na­ção po­lí­ti­ca, que po­de, tal­vez, vir a apre­sen­tar for­mas de pen­sar e agir em ter­ri­tó­ri­os ins­ti­tu­ci­o­nais – afe­ti­vos, so­ci­ais, po­lí­ti­cos e econô­mi­cos. Neste pri­mei­ro tem­po, ex­po­nho uma lis­ta de tá­ti­cas per­for­ma­ti­vas, fei­ta em co­la­bo­ra­ção pois mi­nho­cas não tra­ba­lham so­zi­nhas, e é sem­pre pre­ci­so uma enor­me for­ça gra­vi­ta­ci­o­nal pa­ra do­brar o te­ci­do do espaço-tempo. Nessa lis­ta co­la­bo­ram Priscilla Menezes, Thiago Antunes e Pedro Moraes.

No tem­po fu­tu­ro des­te tex­to, vou ex­pan­dir e in­ves­ti­gar co­mo as tá­ti­cas dos bu­ra­cos de mi­nho­ca po­dem ex­por di­nâ­mi­cas e con­di­ções de pos­si­bi­li­da­de pa­ra a ima­gi­na­ção po­lí­ti­ca mo­di­fi­can­do um ter­ri­tó­rio a par­tir de­le mes­mo, ou ao cri­ar um ter­ri­tó­rio in­tei­ra­men­te no­vo des­de den­tro do ori­gi­nal. Escavando-o, dobrando-o, abrin­do ro­tas al­ter­na­ti­vas de cir­cu­la­ção e saí­das, co­nec­tan­do dois pon­tos dis­tin­tos.

Táticas pa­ra cri­ar bu­ra­cos de mi­nho­ca

Vá até uma área in­vi­sí­vel. Tente vi­su­a­li­zar o ta­ma­nho do ras­tro que o seu cor­po pro­duz no es­pa­ço du­ran­te o pe­río­do de tem­po de um sus­pi­ro, con­si­de­ran­do que nos­sa ga­lá­xia se mo­ve a uma ve­lo­ci­da­de de 120 km por se­gun­do. Inspire.

Evaporar
Às 12h de um dia útil co­lo­que uma ca­dei­ra na ave­ni­da mais mo­vi­men­ta­da da sua ci­da­de. Sente-se. Tenha em su­as mãos uma ba­cia com 250ml de água po­tá­vel. Permaneça até que a água eva­po­re.

Considere o pon­to A e o pon­to B; am­bos pos­su­em uma dis­tân­cia es­pa­ci­al con­si­de­rá­vel en­tre si. Considere ago­ra a pon­te C. A pon­te C per­mi­te que ig­no­re­mos a dis­tân­cia en­tre A e B, conectando-os de ma­nei­ra su­a­ve, fa­zen­do com que a tran­si­ção en­tre um pon­to e ou­tro sub­ver­ta as re­gras im­plí­ci­tas no des­lo­ca­men­to en­tre eles. A pon­te C re­es­cre­ve a no­ção de es­pa­ço que A e B su­ge­rem. O que é a pon­te C, se­não a ca­pa­ci­da­de de re­vi­sar nos­sas ações?

Para fa­zer na lin­gua­gem
A par­tir de ago­ra, sem­pre que for es­cre­ver de for­ma plu­ral ou ge­ral es­cre­va so­men­te no fe­mi­ni­no.

Redistribuição
Escreva em um pa­pel um fa­to so­bre vo­cê que ja­mais te­nha pro­nun­ci­a­do em voz al­ta. Fixe-o em uma pa­re­de pú­bli­ca.

Para fa­zer na con­ta ban­cá­ria
Sempre que o úl­ti­mo nú­me­ro do ex­tra­to for ím­par re­mu­ne­re al­guém por um tra­ba­lho in­te­lec­tu­al.
Sempre que o úl­ti­mo nú­me­ro do ex­tra­to for par exi­ja re­mu­ne­ra­ção pe­lo seu tra­ba­lho in­te­lec­tu­al.

Como uma ma­nei­ra de in­tro­du­zir a pon­te C on­de ela se faz ne­ces­sá­ria, po­de­mos per­gun­tar:
“O fun­ci­o­na­men­to des­se ob­je­to em par­ti­cu­lar po­de ser en­ten­di­do em que ter­mos?”; “Qual a con­sequên­cia des­se en­ten­di­men­to?”; “Da on­de vem es­ses ter­mos?”; “Estes ter­mos ser­vem a quem?”; “De que ou­tra ma­nei­ra is­so po­de ser en­ten­di­do?”; “Quais pos­si­bi­li­da­des de en­qua­dra­men­to pro­vêm uma ima­gem mais cla­ra des­se ob­je­to?”; “Como pos­so en­gen­drar mu­dan­ças nes­se ob­je­to?”

Para fa­zer no ma­pa
Sempre que al­guém te pe­dir in­for­ma­ções so­bre de­ter­mi­na­do lu­gar ou área lhe in­for­me o porquê de vo­cê es­tar ali tam­bém.

Como uma ma­nei­ra de in­tro­du­zir a pon­te C on­de ela se faz ne­ces­sá­ria, po­de­mos per­gun­tar:
“Em que me­di­da o es­pa­ço que é inau­gu­ra­do pe­la pon­te C di­fe­re dos es­pa­ços pre­vi­a­men­te cons­ti­tuí­dos?”; “Como a cri­a­ção e/ou des­co­ber­ta des­te es­pa­ço mu­das as re­la­ções do la­do de fo­ra de­le?”; “Existe al­gu­ma di­fe­ren­ça fun­da­men­tal en­tre es­te es­pa­ço e ou­tros es­pa­ços cri­a­dos en­tre A e B?”

Maremoto
Sente-se de cos­tas pa­ra o mar. Encare o ros­to das pes­so­as que olham pa­ra ele. Tendo co­mo úni­ca pis­ta as su­as ex­pres­sões, desenhe-o.

Para fa­zer no não-visível
Comece a cui­dar de al­go.

Como uma ma­nei­ra de in­tro­du­zir a pon­te C, on­de ela se faz ne­ces­sá­ria, po­de­mos per­gun­tar:
“Se a a pon­te C cons­ti­tui com os pon­tos A e B um sis­te­ma, en­tão to­das as pro­pri­e­da­des des­se sis­te­ma que é cons­ti­tuí­do de­vem ad­vir de A, B e C – su­as pro­pri­e­da­des par­ti­cu­la­res e su­as re­la­ções en­tre si. Essa su­po­si­ção é con­sis­ten­te com a ima­gem de C des­cri­ta até ago­ra?”

Vá até uma área in­vi­sí­vel. Tente vi­su­a­li­zar o ta­ma­nho do ras­tro que o seu cor­po pro­duz no es­pa­ço du­ran­te o pe­río­do de tem­po de um sus­pi­ro, con­si­de­ran­do que nos­sa ga­lá­xia se mo­ve a uma ve­lo­ci­da­de de 120 km por se­gun­do. Expire.

Para fa­zer no fu­tu­ro
Use es­sa lis­ta co­mo um bu­ra­co de mi­nho­ca. Pratique-a. Performe-a so­zi­nha ou com com­pa­nhia, uma ou mais tá­ti­cas. Anote e me en­vie su­as per­cep­ções, afe­tos, atra­ves­sa­men­tos. O que acon­te­ce quan­do dois bu­ra­cos se en­con­tram? Quais ou­tros bu­ra­cos de mi­nho­ca me ocor­rem? Como a mi­nha ima­gi­na­ção é trans­for­ma­da por es­ses tú­neis? O que é a cri­a­ção de vi­as al­ter­na­ti­vas? Esses re­la­tos fa­rão par­te da pró­xi­ma ses­são do tex­to: luizacrosman@gmail.com

Luiza Crosman é ar­tis­ta, mes­tre em Processos Artísticos Contemporâneos pe­la UERJ, e atu­al­men­te pes­qui­sa­do­ra no Advanced Performance and Scenography Studies (apass) em Bruxelas. Trabalha a par­tir do de­se­nho, da es­cri­ta e de per­for­man­ces, in­ves­ti­gan­do me­to­do­lo­gi­as de fe­ed­back, con­di­ções de pos­si­bi­li­da­de e es­pe­cu­la­ções acer­ca da ideia de fu­tu­ro. É tam­bém par­te do ti­me que ge­re a ca­sa­ma­ta – es­pa­ço de ar­te que pes­qui­sa me­to­do­lo­gi­as de ex­po­si­ção.